A gestação é um período de alegria e expectativa para muitas mulheres, mas também é uma fase em que cuidados especiais se tornam primordiais.

Entre os desafios que podem surgir durante a gravidez, a pré-eclâmpsia se destaca como uma condição que exige atenção e monitoramento.

Neste artigo, exploraremos em detalhes o que é a pré-eclâmpsia, suas causas, sintomas, fatores de risco, complicações, diagnóstico, tratamento e, é claro, como prevenir essa condição para garantir a saúde da mãe e do bebê.

O Que é Pré-Eclâmpsia?

A pré-eclâmpsia é uma condição médica que se caracteriza pelo aumento da pressão arterial durante a gravidez, especialmente após a 20ª semana, acompanhada por sintomas como inchaço e perda de proteína pela urina.

Embora seja comum associar a pré-eclâmpsia apenas à hipertensão, é importante ressaltar que ela vai além disso. Essa condição envolve uma resposta inflamatória sistêmica que pode afetar diversos órgãos, aumentando os riscos tanto para a mãe quanto para o bebê.

Compreendendo as Causas da Pré-Eclâmpsia

Embora a causa exata da pré-eclâmpsia ainda não tenha sido completamente elucidada, acredita-se que disfunções placentárias desempenhem um papel significativo nesse quadro.

Quando o desenvolvimento da placenta não ocorre conforme o esperado, certas substâncias inflamatórias são liberadas na corrente sanguínea materna.

Essas substâncias, chamadas trofoblastos, podem danificar o revestimento interno dos vasos sanguíneos, levando a inflamações que afetam vários órgãos.

Invasão trofoblástica nas artérias espiraladas. Saiba com detalhes aqui

Legenda: (A) Útero não gestacional, sem invasão trofoblástica. (B) Útero gestacionalcom pré-eclâmpsia, apresenta vascularização incorreta e superficial impedindo osuprimento adequado de nutrientes e oxigênio ao feto. (C) Útero gestacional normal,apresenta correta invasão vascular da decídua e miométrio. CTE: Células do trofoblastoextraviloso. CTEN: Células do trofoblasto endovascular
Legenda: (A) Útero não gestacional, sem invasão trofoblástica. (B) Útero gestacional
com pré-eclâmpsia, apresenta vascularização incorreta e superficial impedindo o
suprimento adequado de nutrientes e oxigênio ao feto. (C) Útero gestacional normal,
apresenta correta invasão vascular da decídua e miométrio. CTE: Células do trofoblasto
extraviloso. CTEN: Células do trofoblasto endovascular

Os Sintomas e Sinais de Alerta

A pré-eclâmpsia geralmente se manifesta após a 20ª semana de gestação e apresenta diversos sintomas característicos. Entre eles, destacam-se:

  • Pressão arterial igual ou superior a 140 mmHg por 90 mmHg
  • Presença de proteína na urina (proteinúria)
  • Inchaço, especialmente nas mãos e no rosto
  • Ganho excessivo de peso, relacionado ao inchaço

Vale observar que nem todas as gestantes apresentam sintomas evidentes, o que enfatiza a importância de exames regulares de pressão arterial e análises de urina para garantir uma gestação saudável.

Fatores de Risco e Prevenção Efetiva

Existem vários fatores de risco que podem aumentar a probabilidade de desenvolvimento da pré-eclâmpsia. Entre eles, estão:

  • Hipertensão arterial crônica
  • Diabetes
  • Obesidade
  • Doenças autoimunes, como o lúpus eritematoso sistêmico
  • Histórico familiar de pré-eclâmpsia
  • Gravidez gemelar
  • Primeira gestação ou gravidez após os 35 anos

Para prevenir essa condição, é fundamental que mulheres com fatores de risco mantenham seus quadros de saúde crônicos sob controle, realizando um acompanhamento médico rigoroso.

Além disso, a adoção de hábitos saudáveis, como uma dieta equilibrada e a prática regular de atividade física, pode contribuir significativamente para a prevenção da pré-eclâmpsia.

Complicações e Impactos na Saúde

A negligência no tratamento da pré-eclâmpsia pode acarretar complicações sérias, como dores de cabeça intensas, distúrbios visuais, confusão e, em casos mais graves, convulsões.

Quando essa condição evolui para eclâmpsia, as complicações se tornam ainda mais graves, representando riscos tanto para a mãe quanto para o bebê.

O que é Eclâmpsia?

Doença que geralmente surge nos últimos 3 meses de gravidez, mas pode se manifestar a partir da 20ª semana de gestação, no parto ou pós-parto. Caracteriza-se por episódios recorrentes de convulsões, seguidos de coma, podendo ser fatal se não tratada imediatamente.

Causas e Riscos: A eclâmpsia está ligada a problemas nos vasos da placenta, alterando a pressão sanguínea e danificando órgãos. Fatores de risco incluem idade extremos, histórico familiar, gravidez de gêmeos, hipertensão, obesidade, diabetes e doenças autoimunes.

Sintomas e Impactos: Convulsões, dores de cabeça intensas, inchaço, hipertensão e problemas urinários são sintomas. O fluxo sanguíneo reduzido ao cérebro causa lesões neurológicas e complicações pulmonares, renais e hepáticas.

Tratamento e Prevenção: O parto é a cura para a eclâmpsia. Em casos graves, é antecipado. Exames pré-natais rigorosos são vitais para detectar e tratar precocemente. Conscientização e cuidados atentos ajudam a garantir uma gravidez saudável.

Diagnóstico e Tratamento Adequados

Grávida aferindo sua pressão arterial com aparelho. Foto: Reprodução / Canva
Grávida aferindo sua pressão arterial com aparelho. Foto: Reprodução / Canva

Globalmente, a pré-eclâmpsia é uma das principais causas de mortalidade materna e infantil, além de estar associada a problemas cardiovasculares de longo prazo.

O diagnóstico da pré-eclâmpsia envolve medições regulares da pressão arterial, exames de sangue e urina, além da análise dos sintomas relatados pela gestante.

Em casos mais graves, exames de imagem também podem ser realizados para avaliar a condição do feto.

O tratamento eficaz da pré-eclâmpsia envolve o controle da pressão arterial e o acompanhamento da saúde do feto. Em situações extremas, o parto pode ser necessário para garantir a segurança da mãe e do bebê.

Conclusão

A pré-eclâmpsia é mais do que uma simples elevação da pressão arterial durante a gravidez. Ela destaca a importância de um acompanhamento médico rigoroso e de uma abordagem preventiva desde o início da gestação.

Ao cuidar da saúde do coração e adotar hábitos saudáveis, as gestantes podem contribuir significativamente para a prevenção dessa condição e para uma gravidez mais tranquila e saudável.

Em suma, a pré-eclâmpsia é um lembrete de que a gestação demanda cuidados especiais e atenção constante.

Ao buscar um estilo de vida saudável e um acompanhamento médico adequado, as mães podem garantir o melhor começo possível para a jornada de seus bebês.

Assine Amazon Prime e garanta FRETE GRÁTIS nas suas compras!

Perguntas Frequentes

Quem tem pré-eclâmpsia corre risco de morte?

A pré-eclâmpsia é a principal causa de morte materna e infantil, com 75 mil mães e 500 mil bebês afetados anualmente. A maioria dos casos ocorre em países em desenvolvimento.

Quais são as possíveis sequelas da eclâmpsia?

Complicações da pré-eclâmpsia incluem síndrome de HELLP, eclâmpsia e descolamento da placenta a curto prazo. A longo prazo, pode aumentar o risco de ataque cardíaco, AVC, doença cardiovascular, renal e pressão alta.

Quais os riscos da pré-eclâmpsia para o bebê?

A pressão alta na gravidez pode diminuir o fluxo sanguíneo para o bebê, levando a retardo no crescimento, displasia broncopulmonar e até morte. O parto pode ser antecipado se necessário e o bebê nascer prematuro.

Isenção de responsabilidade: Nossos links contém afiliações; compras via links geram pequenas comissões. Essas comissões sustentam o blog. Este site não deve ser considerado um conselho médico. Consulte o seu médico se tiver alguma dúvida sobre o conteúdo apresentado.

Compartilhar.

Orgulhosa mãe da pequena Sofia e entusiasta de tópicos envolvendo moda, beleza, maternidade e tudo relacionado ao universo feminino. Iniciei minha carreira como redatora em 2019, e busco trazer em meus artigos não apenas conhecimento, mas também minha vivência pessoal e experiência como mãe e mulher. Estou sempre comprometida em oferecer conteúdo autêntico e relevante.

Deixe uma Resposta

3 × dois =