Em um movimento que marca uma significativa atualização em suas diretrizes, a Organização Mundial da Saúde (OMS) revisou seu guia sobre alimentação complementar para lactentes e crianças pequenas, trazendo novidades que prometem influenciar positivamente o desenvolvimento nutricional e de saúde dos pequenos de seis a 23 meses de idade.

guide on complementary feeding for infants and young children oms
Guia sobre alimentação complementar para lactentes e crianças pequenas

Vamos mergulhar detalhadamente nas mudanças propostas pela OMS e explorar como pais e mães podem aplicá-las no dia a dia.

Clique Aqui para fazer o download do Guia em Inglês

Amamentação

A OMS reforça a importância da amamentação até os dois anos de idade ou mais, destacando-a como a pedra angular da nutrição infantil.

A amamentação exclusiva é recomendada durante os primeiros seis meses de vida, com a introdução de alimentos complementares a partir de então, sem cessar o aleitamento materno.

Essa prática não é novidade, mas a OMS agora enfatiza a necessidade de ambientes de suporte que facilitem a continuação da amamentação, incluindo políticas de trabalho flexíveis, locais adequados para amamentar em público e em ambientes de trabalho, além de acesso a aconselhamento e suporte.

Introdução Alimentar e Uso do Leite de Vaca

Uma das principais atualizações no guia da OMS é a recomendação sobre o uso de leite de vaca.

Leite de Vaca é Nova Recomendação da OMS. Foto: Reprodução / DALL-E
Leite de Vaca é Nova Recomendação da OMS. Foto: Reprodução / DALL-E

Antes, as diretrizes sugeriam a utilização exclusiva de fórmulas infantis quando a amamentação não era possível. Agora, o leite de vaca surge como uma alternativa viável a partir dos seis meses de idade, caso o aleitamento materno ou as fórmulas infantis não estejam disponíveis ou sejam inviáveis.

Esta mudança visa oferecer uma opção mais acessível a famílias de diferentes realidades econômicas, embora a decisão deva ser tomada com cautela, considerando potenciais riscos como anemia e alergias.

Dieta Diversificada

A partir dos seis meses, os bebês devem começar a receber alimentos complementares, mantendo o leite materno como parte importante da dieta.

A nova diretriz da OMS coloca grande ênfase na diversificação da dieta, recomendando a inclusão diária de frutas, vegetais, proteínas de origem animal (como carnes, peixes e ovos) e leguminosas.

A imagem mostra um grupo diverso de crianças desfrutando de uma variedade de alimentos saudáveis, simbolizando o acesso global à nutrição adequada. Foto: Reprodução / DALL-E
A imagem mostra um grupo diverso de crianças desfrutando de uma variedade de alimentos saudáveis, simbolizando o acesso global à nutrição adequada. Foto: Reprodução / DALL-E

Este enfoque busca não apenas atender às necessidades nutricionais crescentes, mas também estimular o desenvolvimento do paladar e hábitos alimentares saudáveis desde cedo.

Cuidados com Açúcares, Sal e Gorduras Trans

Em linha com a preocupação global com o aumento de doenças não transmissíveis, a OMS aconselha os pais a limitarem o consumo de açúcares, sal e gorduras trans na alimentação dos pequenos.

Isso inclui não apenas a escolha cuidadosa de alimentos processados, mas também o consumo moderado de sucos naturais, que, apesar de serem uma fonte de vitaminas, são também ricos em açúcares naturais.

Suplementação Nutricional

A suplementação de certos nutrientes pode ser necessária em algumas situações específicas, como em casos de deficiência de ferro, vitamina D, entre outros.

A OMS enfatiza que qualquer suplementação deve ser feita sob orientação de um profissional de saúde, considerando as necessidades individuais de cada criança e as características regionais que podem influenciar a disponibilidade de certos nutrientes na dieta.

Alimentação Responsiva

A nova diretriz ressalta a importância da alimentação responsiva, encorajando os pais a estarem atentos aos sinais de fome e saciedade dos seus filhos, permitindo que participem ativamente do processo alimentar.

Isso significa oferecer alimentos sólidos de forma que a criança possa se alimentar sozinha, sob supervisão, incentivando a exploração de diferentes texturas e sabores, e respeitando suas preferências e aversões.

Conclusão Sobre as Atualizações da OMS

As atualizações do guia da OMS sobre alimentação infantil trazem à luz a necessidade de uma abordagem mais flexível e inclusiva, que considere as diferenças culturais, econômicas e individuais das famílias ao redor do mundo.

Para os pais e mães, o principal ponto é a importância de fornecer uma dieta equilibrada e diversificada para seus filhos, promovendo práticas de alimentação responsivas que respeitem o ritmo e as preferências individuais das crianças.

Implementar essas diretrizes pode parecer desafiador à primeira vista, mas com informação de qualidade e o apoio de profissionais de saúde, é possível promover o desenvolvimento saudável e feliz dos pequenos.

Lembre-se, cada criança é única, e as recomendações da OMS servem como um guia para ajudá-lo a fazer as melhores escolhas para o bem-estar do seu filho.

Leia Também:

Assine Amazon Prime e garanta FRETE GRÁTIS nas suas compras!

Isenção de responsabilidade: Nossos links contém afiliações; compras via links geram pequenas comissões. Essas comissões sustentam o blog. Este site não deve ser considerado um conselho médico. Consulte o seu médico se tiver alguma dúvida sobre o conteúdo apresentado.

Compartilhar.

Mãe dedicada e incansável defensora dos desafios e alegrias da maternidade. Com um bacharelado em Psicologia, obtido em 2010, minha paixão pelo entendimento da mente humana e dos laços familiares me conduziu a explorar a maternidade sob um olhar psicológico e emocional. Desde o nascimento do meu primeiro filho, tenho compartilhado minhas experiências e reflexões através de artigos em blogs, e agora faço parte da família Manual Materno. Minha missão é oferecer apoio e insights únicos a outras mães, ajudando-as a navegarem pelos altos e baixos dessa jornada incrível.

Deixe uma Resposta

16 + catorze =