Descubra os direitos dos pais adotivos: salário-maternidade e guarda provisória. Entenda a legislação, valores e como garantir seu benefício. Saiba mais!

Introdução

A complexidade das questões relacionadas à guarda provisória e ao salário-maternidade tem gerado muitas dúvidas entre pais adotivos.

No entanto, entender esses direitos é fundamental para garantir que tanto os cuidadores quanto as crianças se beneficiem de medidas legais destinadas a assegurar um ambiente estável e saudável para o desenvolvimento infantil.

Neste artigo, exploramos os aspectos fundamentais da relação entre a guarda provisória e o salário-maternidade, abordando as disposições legais, decisões judiciais e os valores envolvidos.

Assine Amazon Prime e garanta FRETE GRÁTIS nas suas compras!

O Salário-Maternidade e a Guarda Provisória: Entendendo os Fundamentos Legais

1. A Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT) e a Garantia do Salário-Maternidade

A garantia do salário-maternidade em casos de adoção ou guarda provisória está embasada na Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT).

De acordo com a legislação (Lei da Adoção), o salário-maternidade é concedido não apenas a mães biológicas, mas também a pais adotivos e guardiões temporários, independentemente do gênero.

2. Decisão do Supremo Tribunal Federal (STF)

O Supremo Tribunal Federal (STF) reforçou a igualdade de direitos entre mães biológicas e adotantes, decidindo que a licença-maternidade deve ser concedida de forma equivalente.

Isso significa que tanto a mãe biológica quanto a adotante têm direito a um período de licença remunerada para cuidar da criança recém-adotada.

3. Guarda Provisória e Salário-Maternidade

A guarda provisória, concedida pelo período determinado até a decisão definitiva do juiz, é um elemento-chave nessa discussão.

Através da guarda provisória, pais adotivos têm acesso ao salário-maternidade, desde que atendam aos requisitos legais e apresentem o termo judicial que comprove a guarda.

A Licença-Adoção e Seus Detalhes

Pais recebendo instruções a respeito do processo de adoção. Foto: Reprodução / Canva - Artigo: Salário-Maternidade e Guarda Provisória: Direitos e Garantias em 2023
Pais recebendo instruções a respeito do processo de adoção. Foto: Reprodução / Canva

1. Benefício para Pais Adotivos

A licença-adoção é um direito assegurado aos trabalhadores com carteira assinada e que contribuem com o INSS.

Tanto mães quanto pais adotivos têm direito ao salário-maternidade, que inicialmente foi destinado às mães biológicas, mas foi estendido aos casos de adoção.

2. Duração da Licença

A legislação estabelece que tanto a mãe biológica quanto a adotante que obtiver a guarda judicial de uma criança de até 12 anos têm direito à licença-maternidade de 120 dias.

Essa medida tem o propósito de garantir o bem-estar da criança recém-adotada, permitindo aos pais o tempo necessário para a adaptação e cuidados iniciais.

3. Licença-Paternidade para Pais Adotivos

Desde 2013, a licença-paternidade também foi estendida aos pais adotivos, reconhecendo a importância do envolvimento paterno nos primeiros momentos de adaptação da criança ao novo lar.

4. Casos de Casais Adotivos

Em adoções realizadas por casais, independente da orientação sexual, apenas um dos cônjuges tem direito ao benefício.

Isso é um ponto que requer atenção e eventual revisão legal, uma vez que a adoção é uma decisão compartilhada entre os cônjuges.

Salário-Maternidade na Guarda Provisória: Entendendo as Complexidades

1. Procedimento para Solicitar o Salário-Maternidade na Guarda Provisória

Aqueles que obtiveram a guarda judicial provisória para fins de adoção têm direito ao salário-maternidade.

O requerente deve apresentar o termo judicial da guarda provisória como prova para receber o benefício.

O pagamento é efetuado pelo INSS de acordo com a Lei 8.213/1991:

Art. 71 – O salário-maternidade é devido à segurada da Previdência Social, durante 120 (cento e vinte) dias, com início no período entre 28 (vinte e oito) dias antes do parto e a data de ocorrência deste, observadas as situações e condições previstas na legislação no que concerne à proteção à maternidade.

2. Valor do Salário-Maternidade

O valor do salário-maternidade varia de acordo com o tipo de vínculo empregatício.

Para empregados, o valor corresponde à remuneração integral, enquanto para trabalhadores avulsos será a média das seis últimas remunerações.

No caso de empregadas domésticas, corresponde ao último salário base de contribuição, e para contribuintes individuais, à média dos 12 últimos salários.

3. Importância da Guarda Provisória na Adoção

A guarda provisória desempenha um papel crucial na adoção ao permitir o afastamento remunerado, auxiliando no processo de adaptação da criança ao novo ambiente e estreitando os laços entre os pais adotivos e a criança.

Conclusão

O salário-maternidade e a guarda provisória são mecanismos legais que visam garantir direitos e estabilidade tanto para pais adotivos quanto para as crianças que são inseridas em novos lares.

A legislação e decisões judiciais reforçam a igualdade de direitos entre mães biológicas e adotantes, reconhecendo a importância do período de adaptação para a criança.

A guarda provisória amplia esses direitos, permitindo que os pais adotivos tenham acesso ao salário-maternidade durante esse período de transição.

Perguntas Frequentes

Quem tem direito ao salário-maternidade na guarda provisória?

Pais adotivos que obtiveram guarda judicial provisória para fins de adoção têm direito ao salário-maternidade.

A decisão do STF se aplica a casais adotivos?

Sim, a decisão do STF assegura igualdade de direitos entre mães biológicas e adotantes, mesmo em casos de casais adotivos.

O valor do salário-maternidade na guarda provisória varia de acordo com o vínculo empregatício?

Sim, o valor varia conforme o tipo de vínculo empregatício, sendo integral para empregados, média para trabalhadores avulsos e contribuintes individuais, e último salário base de contribuição para empregadas domésticas.

É necessário apresentar o termo judicial da guarda provisória para receber o benefício?

Sim, o termo judicial da guarda provisória é essencial como prova para receber o salário-maternidade na guarda provisória.

A adoção por casais homoafetivos tem direito ao salário-maternidade?

Sim, a orientação sexual não interfere no direito ao salário-maternidade na adoção.

Assine Amazon Prime e garanta FRETE GRÁTIS nas suas compras!

Isenção de responsabilidade: Nossos links contém afiliações; compras via links geram pequenas comissões. Essas comissões sustentam o blog. Este site não deve ser considerado um conselho médico. Consulte o seu médico se tiver alguma dúvida sobre o conteúdo apresentado.

Compartilhar.

Mãe dedicada e incansável defensora dos desafios e alegrias da maternidade. Com um bacharelado em Psicologia, obtido em 2010, minha paixão pelo entendimento da mente humana e dos laços familiares me conduziu a explorar a maternidade sob um olhar psicológico e emocional. Desde o nascimento do meu primeiro filho, tenho compartilhado minhas experiências e reflexões através de artigos em blogs, e agora faço parte da família Manual Materno. Minha missão é oferecer apoio e insights únicos a outras mães, ajudando-as a navegarem pelos altos e baixos dessa jornada incrível.

Deixe uma Resposta

6 + seis =